sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

SOLO: DA ORIGEM A FERTILIDADE NA AGROECOLOGIA

Na agroecologia o solo deve ser visto como o elemento essencial para geração de vida e conseqüente produção. Sem ele, seria impossível produzir nossos alimentos, etc.. Portanto, devemos ter um grande cuidado e preocupação com a sua manutenção.

Abordo aqui alguns princípios da formação do solo e suas fases iniciais de desenvolvimento, bem como, da sucessão natural das espécies após sua formação. Na seqüência, destaco a importância das relações edafoclimáticas no solo e planta, bem como, da formação da matéria orgânica e o processo de ciclagem de nutrientes das plantas e solo. Por fim, destaca-se algumas das principais técnicas utilizadas para o manejo da fertilidade natural do solo.

O processo de fomação do solo leva milhares de anos para acontecer. Tudo parte do princípio da rocha-mãe e os processos naturais que vão acontecendo, chamado de intemperismo, até se transformar num ambiente propício para geração das primeiras formas de vida. Neste sentido surgem os líquens e algas que nem podem ser vistos a olho nú e que ao se decomporem, vão formando o primeiro húmus e a partir de então, a natureza desperta de maneira fenomenal, seguido da fase dos cactos e espinhos, lutando com suas defesas para sobrevivência inicial e então, a fase dos capins surge e a partir de então, capoeiras e mata dão sequência a este esplendor.

A interação clima e solo são aspectos fundamentais para o desenvolvimento produtivo de qualquer cultura. É importante salientar que o uso e ocupação de uma paisagem são condicionadas por suas características intrínsecas e estas é que determinam as potencialidades de uso e de ocupação. A capacidade ambiental de dar suporte ao desenvolvimento sempre terá um limite. Destarte, é necessário fazer primeiramente um balanço das ofertas ambientais (disponibilidade de água, seca, solo, clima, etc), para que se tenha uma produção sustentável. A maioria das espécies de interesse econômico, necessitam de um conjunto de fatores edafoclimáticos que são favoráveis ao seu desenvolvimento e isto pode ser visto pela importância do centro de origem das espécies.

A importância da matéria orgânica no solo é indispensável para um bom manejo agroecológico, assim como para as plantas e animais. Com isso, a capacidade produtiva do solo pode ser mantida em longo prazo, diferentemente do que acontece na produção convencional, onde a reposição de nutrientes está condicionada a adubação química. A matéria orgânica melhora a capacidade de retenção de umidade entre diversos outros fatores ligados a biologia, física e química da terra.

Todos os seres vivos são formados por elementos químicos que forma nossa matéria viva. O processo de ciclagem de nutrientes está condicionada ao velho ditado: “na natureza, nada se perde, tudo se transforma”. Assim, os nutrientes na natureza fazem parte de um ciclo e permanecem dentro do ecossistema. Quando uma planta morre, dá-se início a decomposição e com isso, diversas reações acontecessem e essa mesma planta, agora, transformada em matéria orgânica e nutrientes a partir de uma grande interação, voltam as plantas ou animais em forma de alimento. Existem diversos ciclos, sendo os principais: Carbono, potássio, nitrogênio, fósforo, etc.

A fertilidade do solo dever ser atribuída pela capacidade do ecossistema em gerar vida de forma sustentada. A concepção antiga que a fertilidade do solo dependia exclusivamente da química já há anos vem mostrando ser equivocada. Um ecossistema é definido por componentes vivos e não vivos e pela sua capacidade de gerar vida. Os fatores para isso são suprimento de luz, água, oxigênio, carbono, nutrientes minerais, combinados no caso do agroecossistema, as boas práticas no manejo do solo e sua fertilidade. 

Na agroecologia estas práticas são trabalhadas a partir do uso de compostagem, adubos orgânicos, adubos verde, consórcios diversificados e rotação de plantas. Podemos sim, utilizar o exemplo de uma floresta e toda a sua interação, entre solo, plantas e animais, demonstrando sua grande biodiversidade e equilíbrio.


Conclusão
Nesta síntese podemos verificar o que o solo demora milhares de anos para se formar e quando isto acontece, existe todo um processo de uso aliado a proteção do solo pelas plantas, dos quais, todos os seres vivos se beneficiam. 
Precisamos aprender a ter um cuidado especial com o solo, visto que na natureza existe um processo natural chamado de ciclagem de nutrientes onde nada se perde e tudo se transforma novamente dentro de um ciclo natural, beneficiando assim, todas as formas de vida.
Para que possamos fazer uso do solo, devemos ter cuidados especiais e para isso, devemos manejá-lo de forma a garantir uma fertilidade a longo prazo a partir de diversos fatores voltados as boas práticas de manejo e uso. 

Conheça mais a técnica agroecologia!!
Aqui neste link você pode encontrar diversas informações relacionadas ao tema:

Nenhum comentário:

REDE BRASIL RURAL

REDE BRASIL RURAL
BRASIL

Social Clique

Social Clique

Prefira Orgânicos

Loading...

Manejo Seringueira_RESEX

Manejo Seringueira_RESEX

Construindo, Conservando

Loading...

SC

Notícias do CNPq

Prato Cheio!

Prato Cheio!

CAMPANHA ECONOMIA SOLIDÁRIA - FBES

BIBLIOTECA DA AGROECOLOGIA - Conhecimento e Harmonia

Social Clique

Biblioteca da Agroecologia

Intercâmbio; Troca de Saberes...

Loading...

Agrofloresta Biodiversificada

Agrofloresta Biodiversificada
Loading...

Agrofloresta Funcional

Agrofloresta Funcional
Bananas (K) com Árvores (Ingá (N), Guapiruvú (N) e Embaúbas (P) - adubação e sombra

Extrativismo Sustentável

Pesquise no Blog

Carregando...

Minha lista de blogs

Intercâmbio = Troca de saberes

Intercâmbio = Troca de saberes
Agrofloresta em Comunidade Quilombola-Paraty/RJ

Uma experiência divertida e saudável com a família

Loading...